domingo, 14 de janeiro de 2018

CÉU e INFERNO

sim Deus existe e eu não duvido
mas é que às vezes não percebo
que esse Deus sempre vai comigo
por esse mundo onde me embrenho
nesses momentos fico aflito
como se a Deus fosse perdê-Lo
meu coração vira mofino
nele se alonga muito medo
sim Deus existe e eu não duvido
se não O sinto é o desespero
de querer tê-lo e não consigo
isso se dá por meu apego
apego àquilo que é finito
os desencontros com o Eterno
sim Deus existe eu não duvido
quero senti-Lo quero vê-Lo
se sinto Deus é o céu bonito
se não O sinto é o triste inferno

domingo, 31 de dezembro de 2017

ESPERANDO TETHÊ

expectante estou de fevereiro
mais do que um folião pela folia
é outra (entanto) a causa da alegria
é o amor que me inflama por primeiro
em fevereiro vai chegar Maithê
Tethê me chega vinda do infinito
vem pra fazer-me o mundo mais bonito
pr'eu lhe dizer: menina amo você
por fevereiro espero espero espero
Tethê em fevereiro vai ser vinda
como toda criança vai ser linda
vem pr'eu dizer-lhe: tanto bem lhe quero
pra que eu lhe diga que lhe quero bem
que de dizê-lo a alma não se cansa
ansioso espero o mês em que ela vem
mais uma neta mais uma criança
pra renovar-me a vida de Esperança
qual em dezembro a criança de Belém

segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

VOCÊ VEIO

passo insensível pelas folhas verdes
pelos frutos e sombra pelas flores
pelos galhos e tronco assim eu passo
olho e não vejo a Mãe na sua espera

os olhos com que olho passam céleres
não são olhos da alma e nada vejo
vejo somente frutos sombra galhos
flores raízes tronco folhas verdes

não ouço o apelo maternal da árvore
que espera o olhar translúcido da alma
que espera a volta de seu filho amado

só vejo o vegetal o verde a árvore
só vejo a forma e nada mais eu vejo
meus olhos são cegueira do que eterno
vive no tronco folhas galhos frutos

mas se vejo com a alma eu ouço o apelo
que a árvore faz porque ao sentir-me perto
sinto-a dizer: meu filho você veio

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

FONTE, CAMINHO E META

Amor é a fonte: dela nascem mundos
dela nascem estrelas brisa fogo
dela é que as formas nascem (nascem todas
as formas do universo: formas múltiplas)
o Amor é a fonte: dela nascem luzes
e sombras nascem dessa mesma fonte
Amor é a via pela qual caminho
os que por ela passam são felizes
é o caminho propício aos aprendizes
o caminho ideal aos andarilhos
é o caminho que trilho pra ser livre
de todos os caminhos ele é sintese
Amor é a meta de quem volta ao Reino
e nele encontra a fonte de onde veio
se alcanço a meta eu me percebo eterno
Amor é a meta a que contente chego
de todo medo pelo amor liberto
fonte: caminho e meta é sempre o mesmo

segunda-feira, 23 de outubro de 2017

COMO?

como esperar que chegue
O que está sempre sendo
sem término e começo?

como? se não se vai
como? se nunca vem
é (e os mundos permeia)

como esperar a volta
d'O que nunca se ausenta
d'O que é sempre presença?

como invocar Aquele
que em tudo permanece
antes que tudo esteja?

como esperar a vinda
sem que ida tenha havido?
como esperar que venha?

aqui neste momento
ser Deus: a mesma essência
do tempo e do não-tempo

domingo, 10 de setembro de 2017

BOA NOVA

eu penso eu meço eu cronometro eu finjo
a vida (ela não pode ser medida)
ela começa nunca : ela não finda
ela só brinca e ao jogo me convida

mas eu teimo em medi-la : é minha sina
dos humanos viventes que caminham
buscando dar algum sentido à vida
como se a vida fosse estranho enigma

a vida (agora eu sei) não tem sentido
pois é o sentido de si mesma a vida
por isso ela se basta : ela é bonita
de uma beleza que não se decifra

eu penso eu meço eu cronometro eu finjo
a vida : e agindo assim colho a desdita
de aprisionar-me a indagações infindas
atrás de uma resposta que se adia

agora eu sei que a vida se ilumina
quando a vivo sem peso e sem medida

ANIVERSÁRIO DEMARIA HELOISA

num dia oito de setembro (o dia
quando festiva a Igreja comemora
o dia em que nasceu Nossa Senhora
o dia em que nasceu a Mãe Divina)
quase ha cem anos minha mãe nascia

deram-lhe o nome belo de Heloisa
mas antes de Heloisa o nome santo
nome todo doçura e todo encanto
deram-lhe o nome santo de Maria

criança pequenina eu aprendia
com mamãe que ha um céu pleno de luz
onde vive Maria com Jesus
e a gente vai pra lá ela dizia

descubro bem depois que o céu podia
sempre existindo estar dentro de mim
eu vejo nesse céu mamãe sorrindo
mamãe dentro de mim agora eu via
e o seu sorriso nunca vai ter fim